Amada Imortal, Cate Tiernan #1

escrito por ♡ outubro 21, 2017

Título: Amada Imortal (trilogia Amada Imortal, livro 1) 
Autora: Cate Tiernan
Editora: Galera Record
Número de páginas: 280
Ano de publicação: 2012
Para comprar: (R$ 28,90 | Amazon)
CLASSIFICAÇÃO: 

SINOPSE: Primeiro livro da bem-sucedida trilogia. mistura fantasia sobre imortais a uma história moderna de uma jovem em busca de si mesma e de redenção. Questões de identidade e moralidade aparecem na trama protagonizada pela imortal Nastasya.
Nascida em 1551, acostumada a beber e sair para baladas cada vez mais loucas, ela perdeu o rumo. Suas conexões com outros imortais, interessados apenas em suas habilidades mágicas, a fazem partir em busca de um propósito. E o encontra em uma espécie de clínica de reabilitação para os de sua espécie, onde conhece um pouco mais sobre o próprio passado e cria importantes laços para o futuro.


Imagine viver por quase 500 anos sem ter feito nada produtivo, fugindo e negando o seu passado porque não aguenta revivê-lo, com medo de se apegar a alguém pois tem medo de se machucar. É impossível de imaginar porque ninguém vive tanto, mas a imortal Nastasya vivencia isso diariamente. 

No primeiro livro da trilogia, o Amada Imortal, a autora nos apresenta a protagonista e todo o seu dilema existencial. Nastasya tem mais de 450 anos e, quando criança, viu toda a sua família ser morta por homens sedentos de poder e sem escrúpulos nenhum. Ela ainda não sabia que era imortal quando isso aconteceu e escapa da matança com sequelas físicas e mentais. Depois disso, ela entra numa espiral de coisas para tentar se esquecer desse acontecimento. Mas, é claro, ela não consegue.

Foto: Livros que Li.
A forma como a imortalidade é tratada nos livros não é leviana, não é tosca. Os imortais carregam, nos ombros, o peso dos anos vividos e dos que ainda viverão pois a autora constrói uma trama fantástica onde fica explícito que viver para sempre não é sinônimo de procrastinação, de farra-bebida-sexo. Não é uma coisa bonita. Nastasya exemplifica bem essa ideia, pois ela tem medo do passado e carrega seus anos vividos como um fardo, curva-se sob o peso da dor, da saudade, da impotência, da raiva e age de modo boêmio e descuidado para anestesiar o que sente.

“Mas naquela noite, a escuridão que me seguia havia mais de quatrocentos anos despencava sobre mim com um peso sufocante, e agora eu odiava a coisa horrível em que tinha me transformado.” (pág. 31)

Tratando-se de uma trilogia do seguimento young-adults, a premissa tem uma carga bem pesada e deixa alguns questionamentos, tipo: o que eu faria se vivesse para sempre? Eu aguentaria ver todos a minha volta morrerem enquanto eu viveria mais incontáveis anos? Voltarei a amar coisas tão efêmeras como um por do sol? Entre outras. A imortalidade não é um tema novo, é batido e, certamente, existem dezenas de livros com esse tema, mas é perfeitamente trabalhado pela autora para o público destinado. 

“Nada realmente acaba… se você nunca morre.”

Depois de ver um dos melhores amigos dela cometer um ato sádico, Nastasya tem uma espécie de epifania que faz ela repensar em tudo o que já passou, após esse clique tardio ela viaja para os E.U.A para encontrar ajuda com uma outra imortal chamada River. Num lugar bastante isolado de nome River’s Edge, um tipo de clínica de reabilitação para imortais, Nastasya vai aprender como usar seu tempo de maneira mais consciente, se conectar com sua magia interior e, é claro, encarar o passado.

Há também o par romântico da Nas, o Reyn. Ele chama a atenção da Nas no momento que ela olha para ele (o que é bem clichê) e ele se mostra ser uma pessoa bem antipática, criando assim um sentimento agridoce na Nastasya. O foco da narrativa não é o envolvimento amoroso dos dois, mas há sim uma grande tensão sexual que os envolve. O estilo de escrita da Cate por vezes me lembrou muito como a Meg Cabot escreve (de quem eu sou grande fã) e tornou a leitura bem prazerosa pra mim. 

O foco do primeiro livro é basicamente na reestruturação da Nastasya em todos os aspectos e a narração consegue transmitir isso. Se imortais existissem, Nastasya seria a imagem perfeita que retrata um ser muito antigo preso numa casca nova. Nas, muita das vezes, tem atitudes bastantes infantis mas suas dores são antigas e profundas. Nesse primeiro livro as ameaças constantes são a própria Nastasya, o Incy (o amigo que cometeu o ato que acordou ela) e a Nell, uma menina fissurada no Reyn e ver a Nas como uma rival. Eventos pequenos que não tiram a importância do desenvolvimento da personagem Nastasya.

Você também pode gostar de:

16 comentário(s)

  1. Eu já li um livro dessa escritora chamado "O Livro das Sombras" e admito que não gostei. Mas vejo tantas pessoas falando de Amada Imortal, do quanto ele é bom, que irei dar mais uma chance para Cate!

    ResponderExcluir
  2. Ainda não conhecia esse livro, ele é num estilo que, particularmente, é um dos meus preferidos. Possui uma história muito interessante e o narrativa bem envolvente.

    ResponderExcluir
  3. Meu deus 450 anos mal vividos, que triste isso não. Adorei sua resenha. Parece que o livro é muito bom. Coloquei na minha lista, quero saber como Nastasya vai se reerguer..

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Hey
    Adorei a resenha e o livro também ! Geralmente essas histórias de imortalidade são tratadas bem mais ou menos e repetidas !!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Eu já li esse livro em 2013 e na época eu gostei bastante, era apaixonada haha. Não consegui ler a continuação, apesar de ter muita vontade de fazer isso. Estou pensando em reler ele para poder continuar a sequência, mas não tenho certeza se iria gostar como anteriormente, levando em conta que o meu gosto literário mudou muito.

    Enfim, ótima resenha!

    Beijão
    Cantinho da Escrita

    ResponderExcluir
  6. Voltei a gostar desses livros sobrenaturais, adorei a sua resenha, ela foi tão cativante que estava quase comprando o livro haha

    Ele parece ser bem legal para um Especial Halloween!

    http://www.cactusliterarios.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bom?
    Eu amei a resenha, fiquei doida para ler esse livro, parece ser apaixonante!
    Quero muito!

    ResponderExcluir
  8. ja ouvi falar muito bem desse livro
    to doida pra ler

    ResponderExcluir
  9. Olá, tudo bem?
    Olha, já ia começar a escrever dizendo que não gosto desse gênero e que livros assim, de fantasia, não é minha praia. Mas, à medida em que fui lendo, fiquei em dúvida. A premissa é muito interessante, me instigou a fazer a leitura. Ótima escrita, muito boa a resenha.

    Vou pesquisar mais sobre o livro e tentar ler, dar uma chance a ele, rs.

    Bjão.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Adorei e quero ler, adoro esse gênero de livro, adorei a sinopse e a resenha.

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem?

    Não conhecia essa série, mas gostei muito de poder conhecê-la na sua resenha. A capa é um dos fatores muito positivos, pois está linda. A história também parece ser maravilhosa, daquelas que nos conquistam e possuem uma força por si só. Acho que é realmente difícil lidar com a imortalização, pois ver todas as pessoas que amamos indo embora é algo complicado. Parece ser um livro com vários pontos para pensar. Gostei!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  12. Oi Oi Haise!
    Eu adorei a resenha, quero dizer que não conhecia essa série, mais adorei ver como o enredo é envolvente e bem construído. Acho que já faz um bom tempo, que não nenhum livro do gênero, e tenho certeza que vou adorar ler ele em breve.

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
  13. Não conhecia, mas é uma temática que me interessa muito, deu vontade de ler.

    ResponderExcluir
  14. olá, não conhecia a série de livros, achei interessante, mas não sei se leria, estou numa longa ressaca literária de young adults, mas as capas da trilogia estão de parabéns, belíssima, sua resenha foi bem feita e detalhada, quem sabe um dia eu de uma chance!

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia o livro, mas uau, que capa! Eu sou a louca pelas capas e amo ver o quanto muitos delas são bonitas. Gosto do tema imortalidade, mas coitada, to com pena da frustração que ela viveu. Muitas pessoas podem achar bom viver para sempre, mas gosto quando trazem o outro lado.
    Parabéns pela resenha, beijos

    https://almde50tons.wordpress.com

    ResponderExcluir
  16. Oi, tudo bem? Ainda não conhecia o livro mas gostei muito do enredo. Achei interessante o fato de viver para sempre ser tratado com outros olhos. Em algumas obras as vezes o autor mostra apenas as vantagens. Ótima resenha. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir