A REDESCOBERTA DO MUNDO, Thrity Umrigar

escrito por ♡ julho 12, 2017




Título: A redescoberta do mundo
Autor (a): Thrity Umrigar
Editora: Nova Fronteira
Número de páginas: 265
Ano de publicação: 2012

“If you need a friend
I am sailing right behind.
Like a bridge over troubled water,
I will ease your mind”

Quatro amigas – Armaiti, Kavita, Nishta e Laleh – que eram inseparáveis nos tempos da universidade, numa Índia da década de 70. Amigas que lutavam contra autoridades, que lideravam passeatas; sempre acreditando, juntas, que tinham o poder de mudar o mundo; mas que acabam se separando e perdem o contato. Até que algum tempo depois, Armaiti – que havia partido ainda jovem para os Estados Unidos – liga para Kavita e Laleh dizendo que deseja um último encontro pois tem poucos meses de vida devido a um câncer. Kavita e Laleh, então, tendo que lidar com a dor e o peso da notícia, com sentimentos passados, movem tudo para que esse encontro aconteça, inclusive partem para uma grande busca atrás de Nishta, que nunca mais viram.

“Era uma sensação esquecida, essa leveza, essa impressão de completude. Durante anos, tudo não passou de representação, de uma mistura de ansiedade e realização de luta, de seguir em frente. Durante anos, ela se sentiu como uma figura num dos quadros de Picasso, desconjuntada, partida, com os joelhos onde deveria estar o nariz, menos uma pessoa do que uma boneca de retalhos, esperando que o lustro dourado do sucesso profissional escondesse a ferrugem de uma vida pessoal fracassada. E ajudasse a amainar o torvelinho que sempre sentiu existir em seu íntimo. Com as outras três ela havia experimentado isso, uma sensação de contentamento, como gelo na pele num dia tórrido de verão, como uma carícia feita na grama.” (pág. 135)


A redescoberta do mundo” é um livro forte, triste, mas ainda assim bem bonito, que fala sobre lembranças, sobre as escolhas que fazemos, arrependimentos, sobre o amor.

Gosto como ela retrata a sociedade na Índia, apesar de ser algo tão triste. Como o tratamento em relação às mulheres, por exemplo: quando Kavita e Laleh finalmente encontram Nishta, veem que ela vive debaixo de um teto opressor, onde o marido (que também era amigo delas na universidade) se tornou uma pessoa completamente diferente do que era, obrigando a esposa a usar a burca, a proibindo de viajar aos EUA, a proibindo de usar seu próprio celular. Nishta se sente uma prisioneira e dói muito acompanhar isso.

Ainda sobre as características da sociedade indiana: ela fala muito bem sobre as divergências dentro do país em relação às diferenças de classes, de gênero, aos conflitos religiosos.

A autora traz personagens muito reais, com suas qualidades e defeitos, com seus acertos e erros, com suas mágoas, fazendo com que a gente sinta raiva e ao mesmo tempo sinta vontade de abraçar todos.
Já conhecia a autora por outro livro que li faz um tempo, chamado “A distância entre nós” (que também é muito bom, mas que me deixou com uma raiva no final...) e foi muito bom voltar a ler um livro dela. A escrita é muito gostosa e fluida; dá aquele aperto no peito, mas também acolhe.

“O que quero dizer é que tudo que parece tão importante, como brigas ou diferenças filosóficas, no fim não faz grande diferença. Quer saber? No fim, o que interessa é o que fica.” (pág. 215)

Você também pode gostar de:

5 comentário(s)

  1. Esse realmente parece ser um livro lindo de lido, gosto da grande maioria dos livros livros da Nova Fronteira e sei que com esse seria uma grande pedida, gostei de saber a sua opinião e sei que deve ser bem emocionando, adorei a capa também.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Oi! Achei a premissa do livro muito interessante. Nunca li alguma história sobre a cultura e costumes da Índia (a não ser A Maldição do Tigre, meio por cima), mas essa parte sobre as tradições, que, acredito eu, ainda existem, me traz uma vontade enorme em querer conhecer sobre outro país.
    Adorei a resenha! Dica anotada!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Percebe-se que o livro pode ser muito emocionante e triste. Gostei primeiro por se tratar um de época, e por trazer personagens realista. Isso com certeza aproxima o leitor da obra. A capa também é LINDA, e sua resenha me deixou bem curiosa. Dica anotada!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Uma história interessante, ainda mais por retratar uma cultura tão diferente da nossa. Eu não conhecia o livro, e vou anotar sua dica.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  5. Oi
    Gostei bastante da premissa do livro. Nunca li nada que se passe na Índia. Gosto de livros informativos como este aparenta ser. Já vou por na minha "listinha" do Skoob para não esquecer.

    Vícios e Literatura

    ResponderExcluir